Você está aqui:

Gustavo Capanema Filho

Gustavo Capanema Filho
Mandato de: 
05/09/1933 até 15/12/1933

Gustavo Capanema Filho (05/09/1933 a 15/12/1933)

Natural de Pitangui (MG), nasceu em 10 de agosto de 1900 e faleceu em 10 de março de 1985, no Rio de Janeiro.
Filho de Gustavo Xavier da Silva Capanema e Marcelina Júlia de Freitas Capanema
Formação: Bacharel em Direito pela Faculdade de Direito de Minas Gerais

Trajetória

Capanema iniciou seus estudos em Pitangui, transferindo-se em seguida para Belo Horizonte onde freqüentou os colégios Azeredo, Arnaldo e o Ginásio Mineiro. Em 1920, ingressou na Faculdade de Direito de Minas Gerais. Lá se tornou amigo de Abgar Renault, Mário Casassanta, Gabriel Passos e Emílio Moura, que mais tarde formaria junto a Capanema o grupo conhecido como 'os intelectuais da rua da Bahia', do qual também faziam parte Carlos Drummond de Andrade, Mílton Campos, João Alphonsus e João Pinheiro Filho.

Iniciou sua vida política em 1927, aos 27 anos, quando foi eleito vereador de Pitangui. Pouco depois, em 1929, com o rompimento do pacto entre as oligarquias de Minas Gerais e São Paulo em torno da próxima sucessão presidencial, Capanema aderiu à Aliança Liberal - coligação que reunia os líderes políticos de Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraíba. Em 1930, ele apoiou à candidatura presidencial de Getúlio Vargas; na mesma ocasião, o primo de Capanema, Olegário Maciel, elegeu-se para o governo de Minas, e Gustavo Capanema foi nomeado seu oficial de gabinete e, logo em seguida, secretário do Interior e Justiça.

Em 1931, o coronel Júlio Pacheco de Assis, comandante do 12º Regimento de Infantaria de Belo Horizonte participou de um golpe articulado pelo ministro Osvaldo Aranha e contou com a participação de políticos mineiros descontentes com os rumos da política estadual, além da conivência do próprio presidente da República. A intenção do coronel Pacheco de Assis era afastar Olegário Maciel do seu cargo, assumindo assim, o governo do Estado.

Capanema liderou a reação a esse golpe e meses depois atuou como intermediário no processo de reaproximação entre Vargas e Olegário com o objetivo de recuperar confiança e evitar uma possível aliança entre Minas Gerais e São Paulo. Desempenhou ainda importante papel nas negociações que deram origem ao chamado 'Acordo Mineiro', em fevereiro de 1932. Com a morte de Olegário Maciel, no dia 5 de setembro de 1933, Capanema assumiu a interventoria federal em Minas. Em 1934, Vargas venceu a eleição para a Presidência da República e surpreendeu a todos nomeando o deputado Benedito Valadares para o cargo máximo do governo mineiro. Em compensação, Capanema foi designado pelo presidente para dirigir o Ministério da Educação e Saúde.

Como ministro realizou obras importantes, entre as quais se destaca a criação de órgãos nacionais como a Universidade do Brasil, atual Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a Secretaria do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (SPHAN) e o Instituto do Livro. Além do Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos (INEP) e a Faculdade Nacional de Filosofia da Universidade do Brasil, que viria a ter profunda influência no ensino médio e superior.

Durante a sua gestão, a reforma do ensino secundário se efetivou com a promoção do ensino técnico e profissionalizante e, por meio de convênios com e...