Você está aqui:

Benedito Valadares Ribeiro

Benedito Valadares Ribeiro
Mandato de: 
15/12/1933 até 04/11/1945

Benedicto Valladares Ribeiro (15/12/1933 a 04/11/1945)
Natural de Pará de Minas (MG), nasceu em 4 de dezembro de 1892 e faleceu em 2 de março de 1973. Filho de Domingo Justino Ribeiro e Antônia Valladares Ribeiro.
Formação: Bacharel em Odontologia e em Direito

Atividades

  • Advogado
  • Chefe de Polícia
  • Vereador em Pará de Minas - 1923
  • Prefeito de Pará de Minas - 1930
  • Deputado Federal Constituinte - 1933
  • Interventor no Estado de Minas Gerais - 1933
  • Governador de Minas Gerais - 1935 a 1945
  • Deputado federal constituinte - 1946
  • Deputado federal - 1950
  • Senador - 1955 a 1971

Trajetória

Sua vida política se iniciou em Pará de Minas como vereador; foi nesse período que apoiou a Aliança Liberal formada por Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraíba que sustentava a candidatura de Getúlio Vargas à Presidência do Brasil em oposição à política paulista. Quando o movimento revolucionário levou o gaúcho Getúlio Vargas ao poder, Benedicto Valladares ocupava o cargo de prefeito em Pará de Minas.

Fiel aliado político do governador Olegário Maciel cooperou com o governo mineiro contra os paulistas no Movimento de 1932. A morte de Olegário Maciel em pleno mandato abalou a política mineira e intensificou a disputada questão sucessória. Gustavo Capanema, governador interino, reivindicava sua efetivação no cargo; já Virgílio de Melo Franco pleiteava com Vargas a nomeação como interventor federal no Estado. Gustavo era apoiado pelo governador gaúcho Flores da Cunha, e o ministro Oswaldo Aranha dava seu aval a Virgílio de Melo Franco. Mas Getúlio Vargas optou por um terceiro nome - Benedicto Valladares, politicamente inexpressivo e sem nenhuma vinculação aos nomes que distavam o comando do Estado.

A tônica principal da estratégia política de Valadares é a fidelidade quase que absoluta a Vargas. Em oposição a Antônio Carlos, que tratava de usar sua força no estado para chegar à presidência, assim como a Gustavo Capanema e Virgílio de Melo Franco, que ousavam pretender a um poder político autônomo, Valladares se apresenta, desde o primeiro momento, como executor fiel da vontade de Vargas, e é assim que surge como interventor em Minas Gerais. A sua carta de apresentação ao Presidente são os serviços prestados no combate à revolução paulista de 1932, e Valladares em nenhum momento externa suas motivações para o desempenho que teve, como chefe de polícia às ordens do Coronel Barcelos, depois General. É bastante dizer que estes serviços lhe valem uma carta de recomendação do General, com a qual os favores de Vargas são conquistados (Simon Schwartzman).

Benedicto Valladares se tornou um dos maiores colaboradores de Getúlio Vargas, sendo-lhe fiel em todas as situações. No ano de 1935, foi eleito pelos deputados constituintes estaduais governador constitucional do Estado. Em novembro de 1937, Getúlio Vargas instaura o Estado Novo, e as eleições são canceladas. Em Minas Gerais, Benedicto Valladares continuou como chefe de governo até 1945, quando Getúlio Vargas foi deposto.

Tornou-se um político poderoso e ganhou fama pela sua habilidade nas negociações. ...